terça-feira, 14 de julho de 2009

Mon amour.

Pois é, todo o ser humano normal vive de amor. Não importa. O amor sempre existe. Mas como poucos sabem o amor é sacana (sim ele é; isso é gostoso!) e te prega peças pra deixar a vida mais divertida. Claro que cabe a gente rir disso, ou achar que está condenado a ficar sofrendo por /de amor pra sempre.

A gente não ama só uma pessoa, só de um jeito, só de uma vez... Enfim, sem muitos rodeios, há vários tipos de amor. Tem, sim, o tal do amor à primeira vista, quem duvida? Quem nunca viu uma pessoa que podia jurar que jamais conseguiria tirar os olhos da direção dela nunca mais, quem? O.K. Se você ainda não viu, vai ver. Não garanto que seja pra vida toda, mas durante um tempo sim. O amor platônico é tão chatinho (sem muito mistério, impossível até que prove o contrário e daí, deixa de ser platônico chatinho!), mas existe. De todos os tipos, do maternal ao amor próprio, todos eles estão presentes na vida, girando em trono do seu umbigo, tentando colar no outro umbigo e assim vai.

Mas tudo isso sobre amor é pra dizer que o amor (esse sacana tão falado ai em cima) me fez penar uns anos, não sabia por aonde ir, nem o que fazer. Demorei uns bons vinte anos, dois meses e dezoito dias para finalmente descobrir porque ele me cercava de todos os lados e eu, inúmeras vezes, não conseguia falar de outra coisa. Descobri quem é o grande a amor da minha vida! E estava lá o tempo todo e eu não via. Já sabe quem é? Não? O grande amor da minha vida é a Tainá, opa, Eu! Sim, sem problemas nenhum. Sem medo e sem vergonha (e sem piadas aqui!) de ser feliz.

Aos poucos eu vou entendendo porque eu me enrolo tanto. Meu grande desafio é quando eu tenho que me dividir com alguém... Sim é o meu ciúme que me atrapalha. Não gosto de me imaginar imaginando outra pessoa para ocupar o meu lugar, não, não mesmo! Sou perfeita pra mim.

Aos poucos vou aprender a me dividir e ensinar que eu sou perfeita pra outras pessoas também, não me trocaria por ninguém. Estou me acostumando com esta idéia de ser Eu, o amor da minha vida. Vou me dividir com alguém que mereça. Porque além de mim, não escolheria ninguém para estar ao meu lado para sempre. Vou parar de explanar, um pouco, do meu grande amor por mim (só agora pra terminar o texto) e dizer que é tão bom o quando a gente descobre o amor de verdade, não importa qual, este meu próprio, por exemplo, é diferente de muitos e é para a vida toda. Há quem não saiba, mas existe a soma de vários tipos de amor que dão num resultado lindo.

Nossa! Amo tanto a Mim que chego a sentir meu próprio ciúme, vou trabalhar isso. Afinal não gosto de me ver mostrando sentimentos por outras pessoas, não mesmo (piadinha!).

Um comentário:

Flor disse...

É. Eu que o diga... Esses lances de amor e amar têm me tirado o sono/sossego/alegria/paz. Sei lá. Ando precisando de uma repaginada. E sem contar que amar mais quem se enxerga ao espelho é bom demais. rsrs...

Beijos.

Flor.