sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Alguns tantos.

Data incerta*

Querido destino,

Então... Hoje eu estava de olhos fechados lembrando-me de amores passados. E já se foram tantos. Arrebatadores, intensos, secretos, explícitos.

Lembro-me perfeitamente de cada um deles. O quanto me parecia vital no momento, e o quão fácil eu os esquecia. Uma sucessão de amores... Amores eternos, talvez. Coração na boca, sorrisos, medos, declarações, lágrimas e fins. Eram sempre assim... Alguns mais curtos outros mais duradouros; de qualquer forma intensos.

Tantos rostos, mas o mesmo sentimento. De fato não sei se o que senti fora amor. Como pode uma única pessoa amar tanto e tantos. Não sei. Talvez não fora mesmo amor de verdade, apenas algum tipo de encantamento.

Este sentimento viciou. Acho que sem isto – o tal amor – os dias ficam sem graça. Embora muitas vezes me tire do sério, não acho tanta graça viver sem um coração acelerado.

Mesmo que lindo, nem tudo são flores. Eu sei destino, eu sei. E para quem não sabe, alguns amores viram dores (pra não perder a rima), deixam marcas que, às vezes, não querem sarar.

Não me queixo de amar demais, sabe. Acho tão lindo o amor. Ainda não sei se já parei de amar, se estou amando, e quem ou quantos ainda vou amar. Nem quero pensar nisto ainda. Posso, ainda, esbarrar em muitos, ou não, até encontrar um que me prenda pra valer. Que um dia eu vou declarar sem medo. Até lá vou amando amar...

Não me queixo de amar. Já disse isso, não é mesmo destino? Só tenho pena dos que não o sabem fazer. Amar não é fácil (ou talvez seja mais simples do que pareça), às vezes demora, outrora é rápido demais. Entretanto sempre forte intenso e bonito.

Arrebatador este tal de amor. Não é à toa que ache tão lindo senti-lo durante tanto tempo e por alguns tantos homens. E grande parte é sua... Culpa, digamos assim, destino.

Um grande beijo, e até a próxima que eu vier te falar de amor.

2 comentários:

Erica Ferro disse...

Ai, sem amor, nada sou.
Amor me move.
Amar, para sentir a vida pulsar em mim.

Belíssimo texto.
Cada palavra e frase parecem ter sido escritas por mim - concordo e me identifico plenamente.

Beijo.

Rosemildo Sales Furtado disse...

É amiga, acho que amar ainda é a melhor coisa do mundo. Isso, quando a recíproca é verdadeira.

Beijos,

Furtado.